Pesquisar este blog

Carregando...

2 de dezembro de 2012

KAIZEN – UM ALIADO NA MELHORIA CONTÍNUA


Em um cenário cada vez mais competitivo e com clientes cada vez mais exigentes, cada vez mais focados em qualidade e outros fatores ligados ao bem estar, a questão que vêm preocupando e atentando as empresas é a busca de novos mecanismos, novas formas de conseguirem resultados mais rápidos, otimizando os processos, reduzindo os prazos de entrega,  e eliminando os desperdícios. Com esses fatores as empresas devem buscar formas de atender o mercado que esta cada vez mais competitivo, aí entra a utilização da Ferramenta Kaizen, auxiliando como método de gestão onde todos os colaboradores da empresa desde a alta gerência até o chão de fábrica estão interligados na busca do resultado final, o melhoramento contínuo.

Palavras-chave: Melhoramento Contínuo, Otimização de Processo, Kaizen.
Abstract
In a scenery more and more competitive and with customers more and more demanding, more and more focused in quality, health and other linked factors to the good to be, the subject that are worrying and attempting the companies is the search of new mechanisms, new forms of they get faster results, process otimização, reduction in the delivery periods, elimination of desperdícios.Com those factors the companies should always be linked to the melhoramentocontínuo, there he/she enters Ferramenta Kaizen's use, where all the collaborators of the company are interlinked in the search of the final result. 
Word-key: Continuous improvement, Otimização of Process, Kaizen.
1 – Introdução

Em um cenário cada vez mais competitivo e com o objetivo de atender a demanda crescente, as empresas tem se preocupado cada vez mais em se adaptar ao mercado que esta cada vez mais exigente.

Com isso as empresas tem se voltado para seu sistema de produção e analisado as formas com que seus colaboradores, desde a alta gestão até chão de fábrica, têm estado atentos as mudanças.

Uma ferramenta simples e de fácil aplicação que tem auxiliado os gestores a terem seus sistemas de produção cada vez melhores, atendendo a demanda do mercado dentro dos prazos de entrega, visando garantir a satisfação dos clientes, utilizando a visão de todos seus colaboradores é o Kaizen, que visa o melhoramento contínuo (Aragon, 2005).
Segundo Aragon (2005), o kaizen esta pautado na eliminação de desperdícios com base no bom senso, no uso de ferramentas baratas que se apoiem na motivação e criatividade dos colaboradores para melhorar a prática de seus processos.
Nos anos 50, foi retomado pelos japoneses as idéias da administração clássica de Taylor, criando o conceito de Kaizen.

Segundo Costa Leite (2007), Kaizen significa melhoramento em todas as áreas, seja melhoramento na vida pessoal, na vida doméstica, na vida social e no trabalho.
 
2 - Desenvolvimento

Este trabalho tem como objetivo ressaltar a importância da aplicação da ferramenta Kaizen nas empresas, como forma de melhoria contínua. O importante não é a quantidade de melhorias, mas sim que todos os dias sejam feitos alguma mudança seja ela no profissional, na empresa, nos maquinários, enfim em todos os fatores que estão correlacionados com empresa, empregado, processo e outros.

Segundo Costa Leite (2007), existem habilidades específicas, comportamentos e ações que precisam ser desenvolvidas para que o melhoramento seja sustentado ao longo do prazo, necessitando de uma melhoria contínua.
2.1 - O que é Kaizen?

A expressão Kaizen significa literalmente, MUDE (KAI) para tornar-se BOM (ZEN). A metodologia kaizen foi desenvolvida pelo engenheiro Tachi Ohno e originou-se na indústria Toyota no Japão nos anos 50, e significa aprimoramento, melhoria contínua. O Kaizen tem como teoria “Hoje melhor do que ontem e amanhã melhor do que hoje”, não se deve passar nem um dia sequer sem que alguma mudança seja feita.
A filosofia Kaizen afirma que o nosso modo de vida seja no trabalho, na sociedade ou em casa merece ser constantemente melhorado (MASSAKI IMAI, 2005).
De acordo com Carlos Mesquita, 2007 a metodologia Kaizen baseia-se em alguns pontos fundamentais:

* Qualidade: como melhorá-la

* Custo: como controlá-lo

* Entrega pontual: como garanti-la.

2.2 - Segmentos do Kaizen

Segundo Massaki Imai (2005) um programa bem definido de Kaizen pode ser dividido em três segmentos:
• Kaizen orientado para a administração

• Kaizen orientado para o grupo 

• Kaizen orientado para as pessoas

2.2.1 - Kaizen para administração

O kaizen orientado para a administração envolve as mais importantes questões, garantindo o progresso na implantação e a moral. Segundo Massaki Imai (2005) um gerente deve dedicar pelo menos 50 por cento do seu tempo ao melhoramento. Fazendo com que o programa possa perpetuar pela empresa em todas as áreas.

Se as pessoas são capazes de seguir o padrão mas não o fazem, a administração deve introduzir a disciplina. Se as pessoas não são capazes de seguir o padrão, devemos oferecer treinamento ou revisar o padrão para que as pessoas possam segui-los Massaki Imai, (2005).
2.2.2 - Kaizen para o grupo

Não se pode falar em melhoria contínua sem destacar a importância e as funções da equipe. Segundo SHIBA (1997), a melhoria contínua significa o envolvimento de todas as pessoas da organização no sentido de buscar, de forma constante e sistemática, o aperfeiçoamento dos produtos e processos empresarias, e ainda que a melhoria contínua pressupõe mudanças no hábito da organização e grandes mudanças com maior planejamento.

Os grupos de Kaizen devem ser formados por pessoas de todas as áreas afetadas e correlatas, com o intuito de aprender a utilizar as técnicas nas soluções dos problemas. Como em todas as áreas da empresa existe um coordenador, um líder, aqui também deve ser eleito um líder que terá o papel de informar a todos do grupo o que esta acontecendo e canalizar todas as informações transformando-as em ação.
Primeiramente deve-se fazer um estudo de todos os problemas, definindo se esta de fácil solução ou se terá que ter o auxílio do método PDCA (Plan-Do-Check-Action). O ciclo PDCA de Deming, tem por princípio tornar-se mais claros e ágeis os processos na execução da gestão. Além do PDCA poderá ser utilizadas outras ferramentas como diagrama de causa e efeito, 5 Porquês, 5W1H.
2.2.3 - Kaizen voltado para pessoas

O kaizen voltado para pessoas ocorre na forma de sugestões, fazendo com que as pessoas tenham mais empenho em realizar as suas tarefas. Esse sistema deve ser bem dinâmico e funcional, servindo de avaliação de desempenho do supervisor dos operários.

 Segundo a Associação Japonesa de Relações Humanas, nos sistemas de sugestões das empresas, os principais temas são:

•   Melhoramentos no próprio trabalho 

•   Economia de energia, materiais e outros recursos 

•   Melhoramentos no ambiente de trabalho 

•   Melhoramentos nas máquinas e processos

•   Melhoramentos nos dispositivos e ferramentas

•   Melhoramentos no trabalho de escritório 

•   Melhoramentos na qualidade do produto 

•   Idéias de novos produtos 

•   Serviços e relações com o consumidor

Considerado e conhecido como o pai do Kaizen, ressalta que a melhoria contínua do processo nas organizações é gradual e que se inicia no próprio local de trabalho. Ele afirma que “o erro principal de muitos profissionais e consultores da qualidade é o depender demasiado da tecnologia ou de ferramentas sofisticadas, notadamente estatísticas, é de serem viciados em aplicações computacionais ou mapas muito complexos que só uma elite acaba por conseguir fazer ou perceber” (Imai, 2005).
Em uma de suas entrevistas, Imai fala sobre a simplicidade em se buscar melhorias e que empresas e empresários possuem um pré-conceito ocidental em se acreditar que esse tipo de melhoria custa muito em termos de valores. “Pensam que devem ter o estado da arte da tecnologia e os equipamentos mais avançados para melhorar (Imai, 2005)”. Analisando o modo de negocio do “outro lado do mundo”, garante que o foco em resultados a curto prazo dificulta a implantação e adoção do Kaizen.
3. Conclusão

Pelas pesquisas realizadas, pode-se verificar que o Kaizen, que significa basicamente melhoramento por meios de solução de problemas, dentro da gama de ferramentas de gestão é considerado uma das mais importantes na visão estratégica de negócios. Está fundamentada pelas características do melhoramento continuo e pelas intensivas mudanças nas organizações, tanto quanto nos métodos, vantagens e desvantagens que permeiam sua implantação. 

Dentre os mandamentos a serem seguidos pode-se elencar a eliminação de desperdício; melhorias de forma gradual e continua; envolvimento massivo de colaboradores; simplicidade sem a necessidade de altos investimentos e sem grande envolvimento de tecnologia; gestão, procedimentos, processos e valores visíveis e ao alcance de todos de uma forma acessível e mostrado de forma transparente e, acima de tudo, o aprendizado como essência das organizações. 

Podemos concluir que o kaizen é hoje uma metodologia que trata diretamente os processos industriais em seu todo, como as pessoas, o grupo e as questões administrativas, focado no melhoramento contínuo e com um diferencial de garantir a sustentabilidade,com uma forma mais rápida de ser aplicado.

4. Referência Bibliográfica


APLICAÇÃO DA FERRAMENTA KAIZEN NO PROCESSO DE RECIRCULAÇÃO DE TINTAS NO SETOR DE PINTURA DE UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA
Disponível em:www.fmepro.org/XP/editor/assets/DownloadsEPD/TCC_jan2007_ CarlosCiconelli.pdf  Acesso em 23/04/2009.

FILOSOFIA KAIZEN APLICADA EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Disponível em:http://www.iem.efei.br/sanches/Ensino/pos%20graduacao/Gestao%20QT/artigos/Ricardo%20%20Kaizen.pdf  Acesso em 09/02/2009.

KAIZEN: BAIXANDO CUSTOS E MELHORANDO A QUALIDADE  Disponível em:http://br.kaizen.com/artigos/kaizen-baixando-os-custos-e-melhorando-a-qualidade.html Acesso em 09/02/2009.

MASAAKI IMAI. Kaizen: A Estratégia para o Sucesso Competitivo. 6 ed. São Paulo-SP, 2005.
SHIBA, Shoji. TQM: quatro revoluções na gestão da qualidade. Porto Alegre, 1997.

CAMPOS, V. F. Controle da qualidade total (no estilo japonês). Belo Horizonte: Fundação Christiano Ottani, 1992.

SLACK, Niegel, Stuart Chambers, Robert Jonhston; Administração da Produção; tradução Maria Teresa Corrêa, 2ª edição. São Paulo: Atlas, 2002.
Autores

Edgar Michalsky Monteiro
Fernando Zampar


Nenhum comentário:

Postar um comentário